Wordpress job board software

Auxílio emergencial é prorrogado até dezembro com valor reajustado

postado por | 2 de setembro de 2020 | Notícias

Compartilhe no WhatsApp:

O presidente Jair Bolsonaro anunciou na manhã desta terça-feira (1º) que o auxílio emergencial será prorrogado em mais quatro parcelas de R$ 300.

Ele se reuniu na manhã desta terça-feira (1º) com ministros e parlamentares da base do governo, no Palácio da Alvorada, para alinhar as próximas ações do governo na área econômica.

O auxílio é destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados, para dar proteção emergencial durante a crise causada pela pandemia da Covid-19.

O benefício começou a ser pago em abril, e foi estabelecido em três parcelas de R$ 600. Posteriormente foi estendido por mais dois meses com o valor integral. O novo valor, portanto, representa metade do valor pago nos primeiros cinco meses.

A medida provisória tem força de lei imediata. No entanto, há abertura para que Congresso possa mudar o valor durante a tramitação. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) sinalizou que o Congresso aceitaria o novo valor proposto pelo governo.

O valor das novas parcelas ainda é maior que o almejado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

O ministro queria inicialmente parcelas de R$ 200. O Congresso pressionou por um aumento para R$ 500, e o valor acabou em R$ 600 após aval do presidente Jair Bolsonaro.

O auxílio emergencial é a medida mais cara do pacote anticrise: as cinco primeiras parcelas já somaram R$ 254,4 bilhões em recursos.

Alcance do auxílio

Cerca de 4,4 milhões (6,5%) de domicílios brasileiros sobreviveram, em julho, apenas com a renda do auxílio emergencial pago pelo governo federal para enfrentar os efeitos econômicos da pandemia de Covid-19.

Entre os domicílios mais pobres, os rendimentos atingiram 124% do que seriam com as rendas habituais, aponta estudo publicado nesta quinta-feira (27) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

A ajuda financeira também foi suficiente para superar em 16% a perda da massa salarial entre as pessoas que permaneceram ocupadas, segundo a análise que usa como base os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Covid-19 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Tag:

Top